Enter your keyword

Saiba o que é uma entrevista estruturada e como aplicá-la

Saiba o que é uma entrevista estruturada e como aplicá-la

Saiba o que é uma entrevista estruturada e como aplicá-la

Toda experiência profissional começa pela entrevista de emprego. Temida por muitos, essa conversa representa um momento crucial para o relacionamento entre empresa e profissional. As trocas que se dão nesse primeiro encontro são definidoras para o futuro do relacionamento.

Para ter bons resultados durante a conversa, é preciso contar com um método. A entrevista estruturada é um modelo utilizado pelos recursos humanos para conhecer melhor seus candidatos, de maneira ordenada. A partir dele, temos um norte para onde seguir durante os recrutamentos. Continue lendo para saber mais.

O que é entrevista estruturada?

A entrevista estruturada é um modelo que se baseia em um roteiro previamente estabelecido para guiar o diálogo entre duas partes. É comum vermos esse tipo de conversa dentro dos processos seletivos. Ela ajuda a empresa a conhecer melhor o trabalhador e vice-versa.

Em geral, a troca acontece entre um profissional de recursos humanos – tradicionalmente, o recrutador – e o profissional que se candidatou à vaga. No caso de empresas menores sem setor de RH próprio, a conversa deve ser conduzida pelo gestor ou gerente.

>> Leitura recomendada: Práticas de RH nas pequenas empresas

A entrevista estruturada pode ser realizada pessoalmente, online ou pelo telefone. O modelo é reconhecido por ser imparcial e inflexível. Isso porque as perguntas são fixas e não abrem espaço para explanações nem divagações.

A ideia é aplicar um mesmo roteiro para diferentes candidatos e, assim, avaliar como as respostas variam em cada caso.

Outros tipos de entrevista

A entrevista estruturada não é o único modelo possível para usar durante um recrutamento. Existem ainda outros dois tipos que valem a pena serem mencionados. Abaixo você pode conferir mais detalhes sobre esses modelos.

Entrevista não estruturada

Como o próprio nome indica, a entrevista não estruturada é o contrário do modelo que é tema deste artigo. Mais flexível, o modelo é reconhecido por oferecer mais liberdade ao entrevistador. Aqui, o profissional de RH fica livre para fazer as perguntas que achar pertinente no momento da entrevista.

Mas, a falta de estrutura não significa que não devemos manter uma coerência entre as entrevistas para uma mesma vaga. O ideal é contar com um checklist – muito mais simples que um roteiro – onde os pontos mais importantes serão anotados para que não passem batido no momento da entrevista.

Entrevista semiestruturada

Situada entre os modelos estruturado e não estruturado, esse tipo de entrevista garante uma direção focada, mas flexível para a conversa.

No modelo semiestruturado, também precisamos construir um roteiro com as perguntas a serem feitas. Existe, porém, maior abertura para elaborar as respostas com mais detalhes. Além disso, o entrevistador pode incorporar novas perguntas no momento da conversa, caso julgue pertinente.

As vantagens da entrevista estruturada

Uma das principais vantagens da entrevista estruturada está justamente em sua falta de flexibilidade. A proposta de fazer perguntas idênticas para os diversos candidatos, cria um padrão para a entrevista. Conseguimos utilizar uma mesma régua para avaliar todos os participantes.

Com isso, acabamos tendo um menor índice de erros. Tudo que precisa ser perguntado está no roteiro e, assim, o entrevistador não esquece de nenhum item.

Outro benefício interessante do modelo estruturado é que ele garante maiores níveis de assertividade na contratação. Isso porque as perguntas são elaboradas previamente e partem de um planejamento que já considera as necessidades da empresa e da vaga. Quando temos clareza sobre o que buscamos, conseguimos encontrar com mais facilidade.

O tempo também acaba otimizado a partir da adoção de uma estrutura em sua entrevista. Conforme dissemos, a proposta é que o candidato responda de forma direta. Isso acaba resultando em encontros rápidos e objetivos. Conseguimos ir direto ao ponto e ter as respostas que buscamos em pouco tempo.

>> Leitura recomendada: Avaliação Psicológica nas organizações: conheça 11 benefícios para o recrutamento e seleção

As desvantagens da entrevista estruturada

Como nem tudo em uma rosa são pétalas, há também algumas desvantagens da entrevista estruturada que merecem atenção. Algumas características do modelo tendem a atrapalhar o processo dependendo de quais são suas necessidades.

Podemos começar citando a necessidade de estar muito bem preparado antes do encontro. As perguntas precisam estar definidas e registradas com exatidão. Isso exige tempo de planejamento.

Toda a rigidez consequente de sua estrutura pode acabar também sendo limitante. Com perguntas fixas, não sobra espaço para o entrevistador improvisar. Além disso, as respostas fechadas também nos impedem de ouvir o candidato se expressar livremente.

A falta de liberdade dificulta, inclusive, uma conexão mais profunda do RH com o candidato. O entrevistador pode ter dificuldades para conhecer o candidato, de onde vem, quais são seus valores e objetivos. Com perguntas padronizadas e respostas limitadas, não sobra muito material para criar laços.


Como criar uma entrevista estruturada

Como não poderia deixar de ser, a entrevista estruturada precisa ser feita de maneira metódica. Existem alguns passos básicos que não podem ser negligenciados em sua criação. A seguir, você aprende mais sobre o processo com nossas dicas.

Planejamento e definições iniciais

O pontapé inicial para criar uma entrevista estruturada se dá pelo planejamento. Esse é o momento em que vamos fazer algumas definições iniciais sobre o que se busca. Devemos olhar com atenção para o cargo disponível, suas demandas e requisitos.

A partir dessa análise, é preciso definir os objetivos da entrevista que vão guiar a criação das perguntas de maneira geral. É importante ter clareza sobre o que aquela entrevista quer descobrir, e quais valores são inegociáveis para a empresa.

Análise do cargo

Quando fazemos análise do cargo, partimos para aspectos mais específicos da vaga que influem na contratação. Na prática, isso significa pensar quais competências técnicas e comportamentais são esperadas no candidato para uma boa colocação.

A análise do cargo também é o momento de definir outros requisitos fundamentais como formação, conhecimentos e experiências profissionais necessárias. Em suma, tudo aquilo que se espera do profissional que se candidata à vaga.


Criação do roteiro de perguntas

Depois de definir os valores que são essenciais para a empresa e os requisitos da vaga, conseguimos elaborar as perguntas que queremos fazer aos candidatos. Essa é justamente a estrutura que dá nome ao modelo.

Na hora de criar o roteiro da entrevista, a dica é começar com uma apresentação da empresa e estabelecer um rapport (conexão) com o candidato. Em seguida, seguimos para as perguntas que vão verificar o fit cultural entre a empresa e o entrevistado. Passamos então a verificar se o candidato cumpre os requisitos da vaga. Aí é a hora de investigar se ele tem as experiências profissionais compatíveis com o que se espera. Para encerrar, o entrevistador agradece pela atenção e esclarece sobre os próximos passos.

Definição dos critérios

As perguntas do roteiro não existem de maneira aleatória. Elas têm uma função importante de entender se o candidato é compatível com a vaga. Por isso, precisam ser objetivas e estratégicas, a partir de critérios previamente estabelecidos.

Como as respostas são fechadas, pode ser interessante atribuir uma pontuação para cada pergunta. A resposta correta em cada caso garante, então, pontos ao entrevistado, de acordo com a relevância daquele ponto. A partir disso conseguimos julgar de maneira objetiva e ranquear os candidatos.

Treinamento dos entrevistadores

Como você bem pôde perceber, a entrevista estruturada é um modelo metódico e que segue regras específicas, desde a formulação das perguntas até o encontro com o candidato. Por isso, é essencial que os entrevistadores estejam alinhados sobre como desenvolver a técnica de maneira adequada.

Para garantir que todos estão na mesma página, é importante realizar treinamentos prévios para educar os profissionais do RH que vão atuar entrevistando.

14 perguntas que você pode incluir em sua entrevista

Vamos supor que estamos entrevistando para um cargo de analista de qualidade. A organização contratante tem valores como inovação, proatividade, desejo de mudança, cuidado e tecnologia.

Confira alguns exemplos de pergunta para esse exemplo:

Sobre o fit cultural com a empresa:

  1. Você se considera criativo?
  2. Você tem facilidade com o uso da tecnologia?
  3. Gosta de pensar em novas soluções para melhorar a rotina?
  4. Costuma tomar iniciativa no trabalho?
  5. O desejo por mudança te motiva em sua carreira?

Sobra os requisitos da vaga:

  • Gosta de cuidar dos outros?
  • Você se considera uma pessoa atenta aos detalhes?
  • Prefere trabalhar sozinho?
  • Você tem perfil analítico?
  • Tem capacitações ou cursos sobre qualidade?
  • Você se enxerga no mesmo lugar daqui cinco anos?

Experiências profissionais:

  1. Já trabalhou com gestão da qualidade antes?
  2. Você já ocupou cargo de analista?
  3. Tem experiência com gestão de processos?

Como estruturar uma boa entrevista

Para garantir que você terá bons resultados em sua entrevista, é preciso seguir alguns princípios básicos que garantem qualidade ao processo – conheça:

Preparação é a chave

Uma das principais características da entrevista estruturada é, justamente, sua estrutura. Mas, para que tudo funcione conforme o esperado, precisamos estar muito bem preparados. Nesse sentido, nossa dica aqui é não pular a etapa de planejamento em hipótese alguma. É ela que traz assertividade ao roteiro de perguntas, além de garantir que as perguntas vão representar os valores da empresa.

Conduza o processo com leveza

Ainda que seja um processo rígido, é importante quebrar o gelo para ter bons resultados em uma entrevista estruturada. Aproveite o momento do rapport no início para conhecer mais sobre o candidato, seus hobbies, relacionamentos e interesses.

Reservar um tempo para se conectar ao entrevistado agrega valor a entrevista e leveza para o processo como um todo.

Perguntas objetivas

O modelo de entrevista estruturada é reconhecido por sua rigidez. Isso traz certa disciplina e padronização ao processo. Logo, é uma característica que precisa ser valorizada. Não se esqueça de que precisamos conduzir com perguntas diretas. Vá direto ao ponto com questões claras e exija também respostas objetivas.

Evite juízo de valor

Parte do treinamento dos entrevistadores precisa focar na necessidade de ser o mais neutro possível durante o processo. Evite o juízo de valor e busque deixar todos os seus preconceitos do lado de fora. O profissional do RH precisa estar sempre aberto ao novo e disposto a aprender e desconstruir suas concepções ultrapassadas.

>> Leitura recomendada: Conheça 7 formas de eliminar o viés inconsciente na empresa

Teste seu roteiro

Se mesmo com todas as informações desse artigo você ainda tem dúvidas de que seu planejamento gerou um bom roteiro, não precisa se preocupar. Nossa dica nesse sentido é testar as perguntas da entrevista antes do grande dia.

Peça ajuda para um colega do RH e inicie um role play para treinar. Depois, peça feedbacks de ajustes que possam melhorar o roteiro.

Recrute de maneira eficiente com a entrevista estruturada

A entrevista estruturada é uma ótima ferramenta para que possamos realizar recrutamentos mais eficientes. Seu modelo rígido não dá espaço para confusões ou interpretações equivocadas.

Além disso, a limitação para respostas mais objetivas agiliza o processo. Assim, conseguimos falar com muito mais candidatos em menos tempo.

São muitos os benefícios que uma entrevista estruturada pode agregar ao seu RH. Da descrição da vaga aos critérios de seleção: tudo ganha aporte teórico para garantir qualidade.

Seguindo as dicas desse artigo, você também poderá recrutar de maneira muito mais eficiente com a entrevista estruturada!

Informações sobre a autora:

Bianca Andrade
Psicóloga e Co-Founder da Sociis RH

Sem Comentários

Comente

Seu e-mail não será publicado.