Enter your keyword

Neurociência comportamental: qual a sua importância para o RH?

Neurociência comportamental: qual a sua importância para o RH?

Neurociência comportamental: qual a sua importância para o RH?

Você já ouviu falar de Neurociência comportamental? Esse conceito estuda o funcionamento do cérebro humano, para que fique mais fácil aprender a lidar melhor com o próximo. A princípio, isso parece algo a se levar para a vida, não é mesmo? Mas nas empresas, e de maneira prática, há também uma aplicação importante.

Com base nesse conceito científico, o RH da empresa pode analisar melhor o comportamento e as habilidades de seus colaboradores. O que é de grande contribuição para os resultados da empresa. Afinal, quando os colaboradores têm seus perfis observados mais de perto, recebem os estímulos certos para impulsionarem seu desempenho. A partir do momento em que se sentem motivados, ainda sentem mais prazer em realizar seu trabalho todos os dias.

Você se interessa pelo assunto? Continue a leitura deste artigo para entender melhor como essa abordagem funciona e quais são as principais vantagens de contar com ela!

O que é Neurociência comportamental?

A Neurociência comportamental, como o próprio nome diz, foca no comportamento humano. Ela entende que todas as ações de um indivíduo são consequências de seus pensamentos, sentimentos e emoções. E que refletem diretamente em qualquer parte da vida, seja pessoal ou profissional.

Quando se trata do contexto corporativo, esta ciência propõe que a empresa propicie e favoreça um ambiente de harmonia. Não apenas para a própria organização dos negócios, mas para que o colaborador se sinta parte efetiva dali. E assim, crie uma identidade com o local e a função em que trabalha.

Isso acontece de forma gradual e natural, na medida em que ele percebe que todos os seus valores são respeitados. Desse modo, fica mais à vontade para produzir mais, já que tem a tranquilidade e a certeza de que se recompensado por isso.

Ele não sente que seu comportamento é julgado ou avaliado o tempo todo, visto que já se adaptou ao cenário da empresa. Por que a empresa criou essa oportunidade para ele? Este é o chamado “ciclo virtuoso”, pois beneficia todas as partes do negócio por igual.

Qual é a sua importância para o RH?

Hoje, o setor de RH tem um papel estratégico dentro de qualquer organização. Por este motivo, deve se utilizar de todas as metodologias e ciências disponíveis para tornar as contratações mais acertadas e garantir uma boa adaptação dos funcionários à cultura organizacional.

A importância da Neurociência comportamental neste cenário se constitui nas áreas que você conhecerá nos tópicos a seguir. Confira!

Aprimoramento de treinamentos

Esta vertente científica permite que se entenda melhor como um colaborador retém seu aprendizado. Por exemplo, no que ele tem mais facilidade para compreensão? Ou quais são suas principais habilidades e competências? No que ele precisa melhorar? Com base na análise dessas respostas, fica mais fácil adaptar e criar novos tipos de treinamentos, que sejam mais eficazes e de fácil absorção de conteúdo.

Dessa forma, os objetivos daquele treinamento também ficam mais claros para os participantes. Eles conseguem visualizar melhor o motivo pelo qual precisam daquele conhecimento e como poderão aplicá-lo em seu dia a dia. E, quem sabe, até mesmo levar algumas novas práticas para a sua vida pessoal.

 

Aumento de produtividade

Ao receber tamanho incentivo, o colaborador é induzido, automaticamente, a produzir mais. Ele não faz isso pautado em excessos ou grandes esforços. Pelo contrário, suas tarefas fluem melhor porque ele se sente motivado e bem-disposto a encontrar soluções para elas.

A empresa, por sua vez, também ganha com isso. Os processos internos ficam mais ágeis, a qualidade de entrega melhora e mais demandas podem ser executadas. É uma troca saudável, inteligente e próspera para todos os envolvidos.

Maior aderência do colaborador à empresa

A Neurociência comportamental explora justamente os maiores potenciais de um indivíduo. Nas práticas do setor de Recursos Humanos, isso significa que fica mais fácil perceber quais são seus pontos fortes, para deixá-los mais lapidados de acordo com as práticas e necessidades da empresa.

Com ela, também é possível identificar comportamentos de boicote, que impedem o colaborador de avançar e se desenvolver. E isso facilita muito a transformação deste tipo de perfil no ambiente corporativo, para que ele tenha mais aderência à proposta do negócio e consiga superar desafios.

Comunicação eficaz

A comunicação é um fator fortemente influenciado pelo comportamento humano. E para garantir que mensagens, informações e comunicados cheguem de maneira clara ao seu receptor, no caso, ao colaborador, é muito importante adequá-la ao tipo de perfil que você tem na empresa.

Com a ajuda da neurociência, o RH aprende a se relacionar melhor com os funcionários, uma vez que entende como eles se sentem e se posicionam em relação à empresa. Assim, em momentos de crise, consegue passar orientações mais efetivas e claras para ajudar no controle da situação. Além disso, pode trabalhar para formar novos líderes, propagar a cultura do negócio e trazer mais segurança e envolvimento para a equipe.

Recrutamento e seleção

Os critérios de recrutamento e seleção estão diretamente ligados a aspectos psicológicos. Ou seja, durante uma entrevista ou uma dinâmica, é preciso considerar a maneira como a pessoa funciona e age. De modo a definir, então, se ela se adéqua de verdade ao cargo para o qual se candidatou.

Com um certo aprofundamento na Neurociência comportamental, é possível criar etapas de seleção que explorem justamente esses pontos. A análise do perfil do candidato, posteriormente, é mais precisa, assim com as escolhas de profissionais por parte da empresa. A soma desses perfis resulta em um time de alta performance e totalmente alinhado aos objetivos da empresa.

>> Leitura recomendada: [E-book] 03 Pontos imprescindíveis aos Processos Seletivos estratégicos

Conhecimento e empatia

A neurociência também permite que o RH compreenda alguns aspectos um pouco mais subjetivos, mas igualmente importantes na empresa. Como, por exemplo, a empatia.

O comportamento de uma pessoa possibilita o conhecimento e o entendimento de atitudes e ações tomadas na rotina de trabalho. O que ajuda o colaborador a se colocar no lugar do outro e a própria liderança a entender porque alguma decisão foi tomada. A consequência disso é um ambiente muito mais fluido, integrado e harmônico.

Como é possível perceber, o conhecimento acerca do comportamento humano é indispensável para uma atuação de sucesso por parte do RH. Portanto, vale a pena estudar e conhecer mais sobre o que a Neurociência comportamental faz e começar a implementar boas mudanças no desenvolvimento de talentos da empresa.

Conseguiu extrair novos conhecimentos a partir deste artigo? Agora, é hora de compartilhá-lo em suas redes sociais, para que mais pessoas descubram a respeito dos benefícios desta ciência!

Equipe Sociis RH

Sem Comentários

Comente

Seu e-mail não será publicado.