Enter your keyword

Os 4 principais tipos de liderança e como utilizá-los na empresa

Os 4 principais tipos de liderança e como utilizá-los na empresa

Os 4 principais tipos de liderança e como utilizá-los na empresa

Quando falamos em ambiente empresarial, sabemos que existem diversos tipos de liderança. Cada um deles depende de algumas especificidades, como os objetivos da área e o perfil dos profissionais.

Por isso, entender os principais tipos é fundamental para quem deseja alavancar o desempenho de sua equipe. Dessa forma, você saberá como utilizá-los a favor de seu ambiente de trabalho.

Neste post, falaremos um pouco sobre os 4 principais tipos de liderança. Sabe quais são? Confira a seguir!

1. Liderança autocrática: o estilo mais tradicional

Em uma liderança autocrática, todas as tomadas de decisão são centralizadas em uma só voz. Esse estilo é considerado o mais tradicional e é comumente encontrado em empresas com perfil mais conservador.

O estilo autocrático é bastante marcado pela ausência de espaço para a contribuição dos funcionários e, por isso, costuma ter resultados negativos. Isso se explica pela retirada de autonomia dos subordinados em suas funções, fator que pode influenciar na desestabilização harmônica do ambiente.

Além disso, o desempenho das tarefas também pode ser diretamente afetado, já que os funcionários trabalharão sob intensa pressão e só intensificarão suas atividades na presença do chefe autocrático. A verdade é que, em ambientes de liderança autocrática, as atividades são realizadas por mero cumprimento de tarefa.

A propensão de conflitos organizacionais em casos como esse não ocorre apenas em relação ao chefe, vale ressaltar. Isso porque a desestabilização da harmonia do ambiente influencia a todos de igual modo. Dessa forma, a equipe se torna mais sensível e propensa a conflitos constantes.

É possível?

Ainda que esse estilo de liderança pareça apresentar mais pontos negativos do que positivos, pode funcionar de forma adequada e eficiente em determinados ambientes. Na verdade, a liderança autocrática pode ser muito útil em instituições que exijam maior rigidez de procedimentos, como na área da saúde ou em organizações que trabalhem com as leis, por exemplo.

Líderes autocráticos também podem ser um forte auxílio para equipes inexperientes e que demandem uma alta concentração de supervisão. Contudo, aplicar esse tipo de liderança em ofícios de criatividade ou que exigem engajamento dos colaboradores pode ser uma escolha desastrosa.


>> Leitura recomendada: [E-book] Guia para construir uma equipe de alta performance


2. Liderança liberal: oposta à autocrática

Com um perfil completamente oposto ao da liderança autocrática, o estilo de liderança liberal tende a ser o mínimo interventivo possível. Ele está, atualmente, entre os tipos de liderança mais populares por suas características inovadoras que dialogam abertamente com as mudanças de mercado.

A essência desse estilo de liderança está na autonomia total do empregado diante da organização. O líder liberal opta por não interferir no processo de tomada de decisão, delegando a decisão para os membros da equipe.

Parece a liderança perfeita, não é mesmo? Mas não é bem assim. A “ausência” de um posicionamento mais firme por parte do líder pode causar um desequilíbrio organizacional no ambiente da empresa, que acaba por deixar os funcionários desorientados sobre as direções do negócio.

O excesso de autonomia fornecido por esse tipo de liderança pode fazer com que os membros se esqueçam dos limites necessários para um bom andamento da rotina de trabalho. Com o passar do tempo, os conflitos no ambiente passam a ser desencadeados muito mais por questões pessoais do que por profissionais, por exemplo.

E agora?

A verdade é que o estilo de liderança liberal, cujo foco e direcionamento são voltados para o liderado, pode ser de grande serventia para algumas empresas. Em equipes que apresentem alto nível de experiência, treinamento e inteligência emocional, esse tipo de liderança pode ser um forte aliado.

Em contrapartida, para empresas com profissionais que necessitem de constante motivação e direcionamento para um bom desempenho, não é uma boa opção.


3. Liderança democrática: o equilíbrio dos tipos de liderança

A palavra democracia apresenta grande valor quando o assunto é política e, em ambientes organizacionais, não é diferente. Assim é com a liderança democrática, que apresenta uma força de equilíbrio, já que exerce sua ênfase simultaneamente no líder e no liderado.

Em uma liderança democrática, os funcionários são constantemente incentivados a participar das tomadas de decisão. Essa característica é muito importante na manutenção da motivação dos colaboradores, já que permite ao profissional envolvido exercer a sua presença no ambiente organizacional.

Diferente dos estilos de liderança citados anteriormente, há nesse caso o equilíbrio. O funcionário não se sentirá pressionado e estará ciente da importância de sua voz, ao passo que também não se sentirá “solto no mundo”, uma vez que, aqui, o líder exerce mais presença.

Nas lideranças democráticas, o líder se mostra aberto e participativo. Então, ouvirá as sugestões dos funcionários e dialogará também acerca de seus próprios posicionamentos e sugestões. Além disso, atuará como uma espécie de orientador, por meio de feedbacks e direcionamentos dos membros da equipe.

E na prática?

A verdade é que, entre os tipos de liderança citados até agora, esse é o que mais promete funcionar bem. Por equilibrar a autoridade e a liberdade e ter como uma de suas características principais a boa comunicação, a tendência é que esse estilo de líder se adapte bem à maioria das organizações.

A empresa que investe em uma liderança democrática tende a ganhar em todos os sentidos. O ambiente favorável, resultado da boa comunicação, promove uma considerável melhoria na qualidade de trabalho das equipes e, consequentemente, nos resultados e no desempenho geral.


>> Leitura recomendada: Como potencializar resultados da equipe com a gestão da performance?


4. Liderança coaching: uma grande promessa

A liderança coaching se refere ao estilo de liderança mais recente em relação aos citados até agora. Aqui, o diferencial está no foco de trabalho do líder: a habilidade de cada colaborador da equipe.

Dessa forma, o líder focará na individualidade de cada membro da equipe, analisando seus pontos fracos e fortes dentro do ambiente organizacional. Então, atuará como uma espécie de incentivador, auxiliando os profissionais a liberarem todo o potencial que guardam em si.

O trabalho de um profissional com perfil de liderança coaching é alinhar o potencial individual dos colaboradores às expectativas e metas da empresa. Para tal, fornece ferramentas de autoavaliação e seu próprio parecer (feedback), fazendo do bom desempenho sua principal estratégia.

A variação dos tipos de liderança apresentados pelo mercado não é, nem de longe, algo que deva ser visto como um ponto negativo. Ao contrário, cada tipo de organização envolve ambientes com demandas distintas de estilos de liderança.

Gostou de conhecer mais sobre os diferentes tipos de liderança? Conte para a gente nos comentários!

Informações sobre a autora:

Bianca Andrade
Psicóloga e Diretora de Recursos Humanos da Sociis RH

Sem Comentários

Comente

Seu e-mail não será publicado.