Enter your keyword

5 Falhas quanto ao uso da tecnologia a serviço da recolocação profissional

5 Falhas quanto ao uso da tecnologia a serviço da recolocação profissional

5 Falhas quanto ao uso da tecnologia a serviço da recolocação profissional

Olá amigos,

Vivemos em um mundo extremamente virtualizado, onde o uso de tecnologias nos permite contatar pessoas que estão em outro continente como ao nosso vizinho ao lado. Isso se aplica aos nossos relacionamentos pessoais e também aos relacionamentos profissionais.

Sendo assim, uma nova oportunidade de trabalho pode, de uma forma ou de outra, vir desse admirável mundo novo.

Seja através do envio de currículo por e-mail, ou a aplicação de seu currículo em um site de uma empresa de recolocação profissional, postagens em mídias sociais como o Facebook, LinkedIn ou grupos de recolocação via aplicativos como o WhatsApp, Viber ou Telegram; o uso dessa tecnologia nos permite encontrar novas oportunidades de trabalho rapidamente e com abrangência global. Essa possibilidade real de contato com outras empresas e pessoas de interesse foi demonstrada através de uma pesquisa da Jobvite nos Estados Unidos. Segundo o estudo, 67% das pessoas que procuram trabalho usam o Facebook e 59% dos entrevistados usam as mídias sociais para pesquisar sobre a empresa e sua cultura.

facebook dados

A pesquisa também aponta que as mídias sociais possuem diferentes utilidades. De acordo com o site Jobvite, o LinkedIn possui preferência para encontrar conexões mútuas entre o candidato e a empresa e 8% dos candidatos buscam alguém com perfil de liderança na empresa desejada. Já o Facebook é utilizado para conhecimento da cultura da empresa e conhecer a reputação da marca. Importante ressaltar que, de acordo com o relatório, os candidatos a emprego estão no Facebook (67% do total de pessoas que utilizaram mídias sociais para a busca de um novo emprego usaram o Facebook), enquanto os recrutadores estão no LinkedIn.

Entretanto, se o uso da tecnologia é, ao mesmo tempo um facilitador, também exerce um papel de destruidor de possibilidades. E é justamente esse assunto que irei focar nesse momento.

Ao utilizar a tecnologia, o candidato precisa se atentar que, mesmo sendo um participante ativo em mídias sociais, existe do outro lado, no papel de recrutador, um indivíduo que observa tudo, desde sua forma na escrita, suas ideias e seu comportamento.

Essa percepção, ainda que pareça óbvia, é esquecida em muitos casos. Desde nomes de usuários ao conteúdo de postagem, são diversos erros que o candidato comete e que, mesmo inadvertidamente, podem diminuir a chance de recolocação. Vamos às falhas:

1 – Nomes de usuários estranhos

Começamos por uma tecnologia da velha guarda, o e-mail. Hoje, a geração Z (nascidos após 1995) o utiliza com menos constância e facilmente o substitui por outras ferramentas. Porém, seu uso ainda é de importância para o recrutamento. Na Sociis RH, 42% de nossos recrutamentos são oriundos de e-mails. Porém, o que destacamos são os nomes do usuário, que é a parte do e-mail que vem antes do símbolo arroba (@) e do servidor de e-mail (servidor.com.br).

Percebemos que alguns candidatos utilizam nomes engraçados, ousados, indiscretos e outros adjetivos pejorativos. Seguem alguns exemplos retirados de nosso banco de dados para terem uma ideia: gatinhasafada, funkbh07, mineirinhaa197, macacoass, ticopalhaco1, entre outros com conteúdo proibitivo para menores de 18 anos.

Algumas dicas. Ao se candidatarem à uma vaga, sugiro criar outro e-mail com um tom mais profissional como a composição de seu nome e sobrenome, seu nome e sua cidade ou seu nome e seu ano de nascimento. Essas alternativas podem minimizar a chance de insucesso na hora de uma triagem curricular.

2 – Erros de ortografia

A ansiedade é grande na hora de encaminhar um currículo ou mensagem ao seu possível contratador ou recrutador, mas é preciso cuidado ao escrever. É comum que a pessoa fique mais desatenta e assassine a ortografia. Isso se aplica aos e-mails ou o que se escreve em mídias sociais.

De acordo com a Diretora da Sociis RH, headhunter e psicóloga Bianca Andrade “As pessoas se esquecem que o cuidado com a escrita e o zelo com a forma semântica é observado pelo recrutador. Por isso, é importante reler o e-mail e se necessário contar com a ajuda de outra pessoa para descobrir erros na escrita”

Ela ainda lembra que a dica é “investir um tempo na mensagem”. Assim evita-se erros de digitação e de português. Esses erros são facilmente observáveis pelo recrutador e “chamam a atenção do leitor e demonstram desleixo” lembra Bianca.

Outra atenção que merece destaque é o uso das formas contratas, e mais que contratas, na linguagem atual como “vc”, “abs”, “vlw”; entre outros. Essa linguagem utilizada em aplicativos de comunicação rápida deve ser evitada a qualquer custo.

3 – Uso de informalidade e formalidade

Conheça seu interlocutor. Essa dica é importante na hora de escrever ao recrutador. Por mais difícil que pareça, conhecer quem estará do outro lado ajudará na hora de se comunicar.

Se for uma empresa jovem com espírito inovador, como uma fintech, startup ou empresas tradicionais, mas que se comunicam com jovialidade, você pode utilizar uma dose de informalidade sem esquecer de manter a escrita correta como citados acima.

Outro erro comum é o uso de linguagem formal e informal em uma mesma mensagem.

Essa mistura de estilos “não é necessariamente um erro, mas não demonstra uma conexão entre as ideias e pode ser vista de forma negativa”, diz Bianca.

De acordo com ela, os gestores das empresas devem ser tratados formalmente, quase na totalidade dos casos. “Os candidatos levam a informalidade da forma de falar para o e-mail e isso é um erro comum e facilmente observável”, diz a especialista.

4 – Conteúdo de Mídias Sociais inadequado

O que posta nas redes sociais? Lembre-se que sua rede social é uma espécie de vitrine de seus pensamentos, afinal você compartilha o que gosta e o que não gosta e tece comentários, curtidas e outras interações.

É comum vermos em perfis de candidatos imagens ou mesmo conteúdo que estejam denegrindo alguma pessoa. Por vezes, confrontamo-nos com postagens radicais sobre temas em voga, como racismo, intolerância religiosa ou sexual.

Aqui cabe uma ressalva. Não queremos que mude seu perfil e minta suas preferências. Cabe o bom senso e atenção, pois em seus perfis existe um viés, um fragmento e reflexo de sua personalidade, portanto, tenha cuidado com suas postagens pois elas podem definir se seu comportamento na rede tende a ter inclinação com o perfil buscado pela empresa e pelo contratador ou se esse perfil não se enquadra ao da empresa.

Isso tira um pouco a graça dessas redes, porém é a única forma de garantir que o que foi postado não interferirá em seu lado profissional.

Agora, se seu perfil demonstra atitudes corriqueiras ou até mesmo expresse seu ponto de vista de maneira equilibrada, respeitosa e inteligente, não se preocupe, afinal essa é uma das funções das mídias sociais.

5 – Desorganização em perfil profissional

Se pensa que ter um perfil no LinkedIn é sinônimo de sucesso e visibilidade está enganado. Essa visibilidade está condicionada à sua rede de contatos e principalmente ao seu próprio perfil.

Isso é visualizado em currículos que recebemos diariamente e espelha-se nos perfis do LinkdIn de vários candidatos. Como sugestão, ressaltar as experiências organizadamente e de forma detalhada é essencial, pois através de palavras-chave, como cargo pretendido, área de atuação ou cursos realizados, que recrutadores iniciam suas buscas por candidatos.

De acordo com Milton Beck, do LinkedIn Brasil, em entrevista à revista Exame, “o uso de uma imagem de perfil adequada tem o poder de aumentar em até sete vezes a chance de um candidato ser convocado para um processo de seleção”. Lembrando que essa imagem deve revelar sua postura profissional. Se você busca recolocação utilize uma foto, como imagem de perfil, que corresponda ao perfil buscado, ou seja, demonstre em sua foto sua postura e personalidade adequada à cada objetivo, seja como executivo, design e criação, cozinheiro ou professor de educação física, busque adequar sua foto.

Lembrando que o LinkedIn é muito utilizado por recrutadores. De acordo com a pesquisa da Jobvite, 87% dos recrutadores estão nessa rede social (que por sinal é bem frequentada por usuários com bons currículos). Veja abaixo um infográfico, feito pelo LinkedIn em 2013, que demonstra essa característica em perfis brasileiros.

Como-brasileiros-usam-o-Linkedin

Por mais que se fale no que devemos ou não devemos fazer em mídias sociais, algumas pessoas cometem erros crassos e nem percebem. Agora, se você busca otimizar seu desempenho em processos de recolocação, fique atento com o que posta em redes sociais, como escreve e como se comunica.

Mesmo assim, se persistirem dúvidas, busque ajuda profissional. Desde a readequação de currículos até o acompanhamento de perfis, passando pela gestão de imagem pessoal, existem empresas que oferecem aos candidatos assessoria para otimizar a recolocação no mercado de trabalho. “Na Sociis RH possuímos soluções ao candidato, como reestruturação curricular, reestruturação de redes sociais profissionais, avaliação de perfil profissional, simulação de entrevista, entre outros serviços que podem ajudar os profissionais a se apresentarem melhor ao mercado” lembra Bianca Andrade. Caso tenha interesse, CLIQUE AQUI e leia mais sobre esses serviços.

Diante dessas informações só uma coisa me vem à cabeça: USE O BOM SENSO. Essa é a palavra de ordem ao pensar em utilizar as redes sociais para a recolocação.

Sucesso em sua busca e conte conosco!

Fonte Pesquisa: http://www.jobvite.com/wp-content/uploads/2016/03/Jobvite_Jobseeker_Nation_2016.pdf

Informações sobre o autor

Foto Cristiano Spelta

Cristiano Spelta é consultor, professor de marketing estratégico e gestor de Planejamento e Marketing da Sociis RH. Apaixonado por desafios e pessoas, está sempre disposto a ajudar candidatos a rever seus currículos e conseguir novas vagas em um mercado pra lá de competitivo.

 

Comentários (3)

  1. Rodrigo Augusto Costa
    jun 30, 2016

    Recentemente busquei pela Sociis e fui atendido pelo Cristiano Spelta, para que fosse feita a restruturação do meu currículo. Fui perfeitamente atendido, além de receber várias dicas importantes.

    Parabéns a toda equipe da Sociis pela seriedade e comprometimento com que trata a todos que estão em busca da recolocação profissional.

    • Cristiano Spelta
      jun 30, 2016

      O processo foi um sucesso devido ao seu comprometimento, busca pelo saber e espírito proativo.
      Espero revê-lo em breve.
      Sucesso!
      Cristiano Spelta

  2. Diego
    jun 30, 2016

    Confesso que cometia algumas destas falhas. Obrigado pelas dicas.

Comente

Your email address will not be published.